iPhone no pau de selfie.

Precisamos falar sobre o pau de selfie

Por
8/1/15, 10h02 13 min 110 comentários

O gadget mais popular do Natal de 2014, aqui e em vários outros países, não foi um smartphone, nem algo tão avançado quanto. Na verdade, foi um negócio simples que, se muito, traz alguns botões e uma interface Bluetooth. Estou falando do pau de selfie.

Descobri esse negócio em setembro, mas o fenômeno é mais antigo. O também chamado bastão de selfie ou, na terminologia mais correta, monopé extensível, esteve à espreita durante todo o ano passado. Em novembro, a revista Time listou-o como uma das 25 melhores invenções de 2014. A essa altura ele já caminhava a passos largos para virar febre e, considerando que “selfie” foi a palavra do ano de 2013 segundo o Dicionário Oxford, pode-se dizer até que demorou.

Em dezembro aquele meu texto zoando pau de selfie se transformou na página mais acessada do Manual do Usuário. É muita gente! A ascensão daquele post acompanhou a do próprio termo no Brasil. No Natal, muitos presenteados correram para o Google a fim de entender melhor como essa coisa funciona. E eu, que ainda acho meio ridícula a ideia de esticar um cabo metálico de um metro no meio da galera para tirar uma foto da sua própria fuça, fiz o que qualquer um intrigado com o fenômeno faria: comprei um pau de selfie para ver qual é que é.

Fênomeno mundial

Selfie stick da Kaiser Baas.
O único homologado pela Anatel.

É curioso ver as grandes fabricantes e lojas do varejo brasileiras comendo mosca com a moda do pau de selfie. Nos EUA, por exemplo, onde o acessório também virou febre, comerciantes de equipamentos fotográficos e lojas de departamento estão lucrando muito com isso. Os estoques não duram e  a indústria não consegue atender a demanda.

No Brasil a história é diferente. Há iniciativas avançadas como o modelo da Kaiser Baas de R$ 249 (!), único homologado pela Anatel. Isso é um detalhe importante porque aponta que, aqui, a moda vem de baixo: o típico pau de selfie está em embalagens baratas, cheias de erros de grafia, com projetos visuais grotescos e, claro, sem preocupação alguma com controle de qualidade.

Em grande parte, a explosão do pau de selfie lembra a gênese dos dual SIM, os famosos celulares xing-ling de dois chips. Há duas diferenças fundamentais entre as histórias, porém: esses bastões não sofrem preconceito de classes (vê-se gente com iPhone e celular de entrada usando-os) e não sei, ao certo, se a febre passará esse estágio e ganhará seu espaço na nossa cultura. Eu acho que não, mas fazer apostas do tipo é botar o seu na reta por nada, então deixe estar.

Quando resolvi ter um pau de selfie para chamar de meu, comecei o processo de compra como qualquer ser humano normal: pesquisando no Google. Encontrei lojas desconhecidas, comerciantes pequenos atuando em sites como MercadoLivre e Bom Negócio, e lojas locais indo à loucura naqueles famosos grupos do Facebook, tipo “MercadoLivre Maringá”. Todos vendendo os mesmos modelos com controle remoto Bluetooth e tal, com preços que variam de R$ 80 a R$ 110.

Tirei algumas dúvidas num desses grupos no Facebook e no dia seguinte fui ao centro de Maringá adquirir meu pau de selfie. A loja estava lotada e o balcão, repleto deles. Era pau de selfie pra todo lado, dava até para fazer uma guerrinha de espadas com pau de selfie. Isso seria legal.

Eu, na loja, comprando um pau de selfie.

Se no exterior lojas mais a ver com o assunto foram as primeiras a se ligarem no fenômeno, por aqui as pioneiras parecem ter sido as que vendem capinhas de celulares e produtos populares importados. Faz sentido, geograficamente falando: como a maioria busca seus estoques no Paraguai e é por lá que muita coisa da China chega até nós (pelo menos aqui no interior do Paraná), não tinha como ignorarem um produto tão atraente e sem concorrência tanto da indústria nacional, quanto do varejo tradicional.

O modelo que tinha visto no grupo, de R$ 85, esgotou em um dia. O vendedor me deu, então, duas opções: um com controle remoto à parte e movido por uma pilha de relógio, e outro recarregável por USB e com controles no próprio bastão. Fiquei com esse, que me custou R$ 95.

Garantia? Uma estranhíssima “de teste”, que consiste em levar o pau de selfie para casa, testá-lo e, se der algum problema, voltar à loja para trocá-lo. Lembrei ao vendedor que o Código de Defesa do Consumidor me garante pelo menos três meses de garantia para bens duráveis. Ele me perguntou como seria o pagamento. No cartão, por favor.

Claro que meu pau de selfie veio com defeito.

Pelo menos foram solícitos e trocaram ele sem resistência. Peguei um da mesma “marca” (ou, pelo menos, que vem na mesma caixa), mas com um design diferente. Esse funcionou.

Hands-on no pau de selfie

Fazia algum tempo que não lidava com um produto tão tosqueira. A embalagem é de chorar:

Embalagem do pau de selfie.

Numa fonte estranha e laranja contra um fundo verde, quase impossível de se ler pelo contraste ruim, a fabricante diz que o meu pau de selfie é “o primeiro do mundo” e que detém uma “patente exclusiva”. Em letras menores, informa ser compatível com “iOS e Andriod”, o que suponho se refira ao Android. Mais abaixo um Clipart de cabeça quadrada com um megafone em formato de cone na mão e fazendo um joinha com a outra repete o lance da patente exclusiva e ressalta um “sistema de identificação automática” que dispensa o uso de um app especial. Isso deve ser bom. A Anatel definitivamente não viu esse negócio.

Abrindo a caixa, encontrei o pau de selfie, uma alça para evitar acidentes (embora, com 1,1 metro de comprimento quando totalmente esticado, não deva resolver muita coisa em relação ao celular), a presilha que segura o smartphone e um cabo USB. Ah, e um minúsculo manual que para minha surpresa foi muito útil. Embora tenha quatro botões, só com o auxílio das instruções consegui decifrar os procedimentos para ligar, parear e desligar o pau de selfie. Procedimentos que, como você deve ter imaginado, não são nada intuitivos.

O cabo e os botões do pau de selfie.

O cabo é de plástico rígido na cor verde limão. Existem variações em rosa, roxo, amarelo e azul, também. Lendo o manual descobri que o buraco da alça é removível e que ao tirá-lo, o pau de selfie pode ser encaixado num tripé e virar um disparador remoto. Isso é que é versatilidade!

Como estava com um Lumia 730 na mão, um legítimo smartphone para selfies, ignorei os avisos da embalagem e tentei pareá-los. Os dois se encontraram via Bluetooth, mas os botões não funcionaram para o disparo — algo a ver com a incapacidade do Windows Phone em aceitar teclados externos e que deve ser resolvido com uma atualização futura. Arrasado, peguei o iPhone e nele tudo correu bem. O encaixe é feito por pressão e embora não tenha caído nenhuma vez durante os meus testes, aquele medo de que ele fosse escapar e se esborrachar no chão jamais me abandonou.

Da configuração aos materiais, fica claro que é um produto bem safado. A parte extensível é rígida, difícil de esticar e fica girando no próprio eixo se o ponto de equilíbrio do smartphone não estiver perfeito. Os botões de zoom não funcionaram, nem no iPhone, nem no Android (testei em um Nexus 5 também). No Android, aliás, ele toma o lugar do teclado padrão e, por isso, enquanto estiver pareado você não consegue digitar nada porque o teclado padrão some!

Munido de um pau de selfie, muita coragem, e sem um pingo de amor próprio, chamei uns chapas que estavam meio à toa e fomos a uma praça brincar com o pau de selfie. Não foi tão ruim quanto eu esperava. Na verdade até nos divertimos, mesmo com o modelo defeituoso — foi preciso apelar para o temporizador da câmera, já que a bateria apagou assim que chegamos mesmo eu tendo recarregado ela completamente (ou assim pensei) antes de sair de casa.

Segurando o pau de selfie.

Quando o pau de selfie se distancia da arte

A primeira vez que vi um pau de selfie em ambiente selvagem, sem ser por fotos ou em vitrines, foi num congresso de comunicação, em outubro do ano passado. Depois da palestra e de um breve coquetel, uma moça retirou seu pau de selfie da bolsa e o estendeu para tirar uma com os amigos. Acho que era um povo da TV:

Flagra de um pau de selfie em evento social.
Pau de selfie na natureza selvagem.

Era só mais uma das milhares, milhões de selfies feitas com o bastão que pipocaram em redes sociais nos últimos meses. São muitas fotos, de todos os tipos, mostrando ou não o objeto que auxilia a obtenção das imagens com maior distanciamento dos objetos/pessoas no enquadramento. Dá para culpar essa gente? O que eles não sabem? Existe algum cenário em que o pau de selfie não te comprometa?

Tá, tá, eu sei que tenho zoado o pau de selfie desde sempre, mas deixe-me abrir um parênteses aqui.

Técnicas fotográficas correm o risco de serem mal interpretadas, mas pela arte, pelos resultados quase tudo se justifica. E o que o pau de selfie faz é, em certa medida, a mesma coisa que os drones civis têm feito para a cinegrafia, ou que o digital trouxe com a edição facilitada e técnicas nunca imaginadas, como a glitch art, ou ainda que as câmeras em smartphones e a conexão onipresente nos deram: abrir novas possibilidades.

Uma extensão, ainda que de apenas um metro, é um novo ponto de vista. Abraçá-la, explorá-la, é válido. Eu usaria um pau de selfie em certas situações sem constrangimento. Em todas, como numa festa ou, como empurra a Kaiser Baas, fabricante do pau de selfie homologado™®, nos “melhores momentos da minha vida”? Aí complica. Imagina o cara TIRANDO UM PAU DE SELFIE DO BOLSO NO MEIO DA BALADA? E o problema é que isso não é apenas constrangedor, é algo que pode ficar chato. Matheus Ramos Dias, idealizador do hilário Encontro Nacional do Pau de Selfie no Facebook, contou ao R7 que a brincadeira surgiu pelo excesso de paus de selfie em lugares tumultuados:

“Mal dava para andar na Paulista, mas ninguém se importava em parar e esticar o pau de selfie e fazer o autorretrato. Parece que agora o item se tornou um item indispensável.

Ele está em todo lugar. Esta foto emblemática, da Folha, mostra um pessoal curtindo o pau de selfie na praia:

Turistas e cariocas brincando com pau de selfie.
Foto: Ricardo Borges/Folhapress.

E não é como se eu estivesse cagando regra aqui. Se você está feliz e promete não bater em ninguém com esse negócio, vai fundo. O ponto é que me parece claro, e natural até, que boa parte desse povo só quer tirar uma selfie marota, algo que não precisa de um objeto intrusivo (um time de futebol inglês já o proibiu em seu estádio), absurdamente caro e que, no fim das contas, nas fotos, acaba nem fazendo tanta diferença. Quando faz, é por aparecer na foto, algo que deveria ser evitado mas qual a graça de tirar foto com pau de selfie se ele não aparece, né?

Eu não tenho birra com pau de selfie. Ele me trouxe muitas visitas e se duvidar até alguns leitores. Talvez você só esteja lendo isto por aquele primeiro post sobre pau de selfie! Eu ficaria contente se aparecesse uma sensação dessas proporções em todo verão. Só acho bobo e isso é algo que não consigo evitar, desculpaê.

Enfim, mesmo com todos esses poréns, eu tinha uma missão e estava determinado a cumpri-la, custe o que custasse, incluindo a minha dignidade.

Usar o pau de selfie numa praça, no centro de uma cidade do interior, foi um misto de diversão e vergonha. Todo mundo olhava, mesmo enquanto dividimos as atenções com uma bailarina, vestida a caráter, que também achou a tal praça um bom lugar para fazer seu book na mesma hora em que estávamos lá. Então fizemos uma foto tradicional, da galera, todos de pé e sorrindo, felizões:

Grupo de amigos celebrando o pau de selfie.
Coisas que só o pau de selfie permite fazer.

Depois, quis dar um ar artsy e encontrei essas florzinhas. Note que a sombra do celular no meu rosto não ficou legal — alguém já tinha falado desse contratempo do pau de selfie?

Uma selfie contra um canteiro de flores.

Escondo ou mostro o pau? kkkkk

Foto em grupo com o pau de selfie à mostra.

Não sei até que ponto a diversão foi proporcionada pela sessão de fotos ou pelo nonsense da coisa. É divertido porque é patético ou porque é genuinamente divertido? Não sei, só sei que… nah, a quem quero enganar? É bem patético.

Eu não costumo andar com muita gente, muito menos tirar fotos em grupo, então acredito que o maior apelo do pau de selfie não se aplica a mim. Os meus naturais, também conhecidos por “braços”, geralmente resolvem. E com essa moda de selfies, as câmeras frontais estão ganhando lentes com distâncias focais menores a fim de incluir mais gente no enquadramento.

O que quero dizer é: se você quer comprar um apenas para tirar selfies com seus amigos, pense melhor. Além da alternativa citada acima, uma outra é pedir a alguém de fora para tirar sua foto. Isso, falar com outro ser humano desconhecido e pedir-lhe para tirar uma foto. As pessoas não mordem e não costumam ficar à espreita para roubar turistas ou transeuntes ávidos por fotos em grupo. E, de quebra, dessa forma você evita o maior tradeoff em usar um pau de selfie, que é utilizar a câmera frontal do smartphone. Mesmo em aparelhos “especializados”, como o Lumia 730, a câmera de trás ainda é muito melhor.

“Ah, mas serei roubado!”, disse alguém. Não me parece que grudar seu smartphone fragilmente em uma vareta a um metro de distância e deixá-lo suspenso em locais super movimentados seja um protocolo mais seguro do que recorrer à boa vontade de um garçom, ou de um senhor que esteja passeando com a família. Mesmo ela não se ajudando ao comprar alucinadamente coisas como pau de selfie, tenha um pouco de fé na humanidade!

Ah, que canseira.

O pau de selfie entrou rapidamente naquela categoria de coisas que adoramos odiar, mesmo nunca tendo contato ou só para parecer cool. Mas agora que testei um posso dizer com propriedade, sem medo de ser injusto, que: sim, é uma gigantesca bobagem.

Alguém quer comprar o meu?

Agradecimentos ao Lincoln Copceski, Laís Alves (que tirou as fotos em que eu apareço) e Márcio Hayashiuchi por terem topado testar o pau de selfie comigo. Isso é que é ser amigo! 

  • Marlon J Anjos

    E pensar que foi inventado em 1995

  • André Almeida Martins

    tudo bem, eh um objeto meio estranho.. concordo com alguns pontos de vista!
    mas agora me fala uma coisa:
    Nao da pra tirar fotos com esse angulo de visão só esticando o braco.. no minimo alguém seria cortado! ..usando uma lente fisheye então, melhoria mais um monte!

    Eu entendo quem usa pra ter uma foto bacana e não apenas ser uma “modinha” (entre muitas aspas mesmo).. so não entendo quem fala q esse “gadget” eh pra idiotas e td mais.. serio.. não entendo o preconceito! kkkkk
    ótimo post Ghedin! =D

  • Juan Lourenço

    Então, eu te provoquei no Twitter quando falou que ia escrever sobre isso, e cá estou hehe. Sim, concordo que pau de selfie pra tirar fotinho com amigos em balada ou situações bobas, é bem besta mesmo. Em shows ou lugares cheios, pior ainda.

    Maaaas, para tirar foto numa viagem, em que você quer se fotografar (e sim, talvez incluir mais pessoas) num cenário bacana de fundo (e grande demais pra ser possível de enquadrar apenas esticando o braço), a bugiganga funciona perfeitamente. Você ganha o 1 metro do braço + 1 metro do bastão, que ainda pode ser bastante inclinado para cima.

    Estive na Itália em Novembro/14 e usando o que até então era chamado apenas “monopod” numa GoPro, tirei fotos muito bacanas. Aliás, link no final do comentário, paguei menos de 5 dólares e não tem frescura de bluetooth, coloco o temporizador, estico e espero a foto sair.

    Poderia pedir pra alguém tirar pra mim. Sim e não. Sim, poderia encher o saco de outra pessoa, perder um tempo nisso, arriscar do sujeito enquadrar mal, ter até dificuldades em se comunicar, mas ok, era assim que faziam antes do invento, então ok. E não porque o bastão permite tirar foto de cima, coisa que só um Avatar de 3m de altura poderia fazer, e isso é relevante quando o cenário de fundo é importante.

    Enfim, pra um bom uso (modéstia a parte e gosto artístico igualmente a parte) do pau de selfie, ver minha foto de capa no Facebook (facebook.com/juanlourenco).

    * http://www.aliexpress.com/item/New-arrival-Extendable-Handheld-Monopod-Tripod-Mount-Adapter-for-GoPro-Hero-3-2-1-Camera/1873474934.html

    • Denis Padua

      Realmente pro seu caso eu acho ok, embora eu ainda não usaria, acho que isso resume bem.
      “Mesmo em aparelhos “especializados”, como o Lumia 730, a câmera de trás ainda é muito melhor.”

      • Também considerei esse o maior “problema” com o produto: na maior parte dos smartphones a câmera frontal é uma porcaria…

    • Mateus Azevedo

      Ai que está a grande diferença Juan: usá-lo em situações onde é útil!
      Como o Ghedin comentou e eu concordo, na grande maioria das vezes não é necessário. As pessoas usam apenas por usar, por moda, é besteira…

      PS: Um desses com uma GoPro deve dar pra fazer umas coisas BEM bacanas :D

    • Ricardo Ferreira

      Imagine então um Avatar tirando foto com pau de selfie…

  • Gustavo F Soares

    quanto a mim, só consigo rir :)

  • Chicão

    Po cara, põe uma mina pra testar esse acessório no selfie. Vc não. Por favor =P

    • Piadinha machista hein, man? Faz isso não, cara.

      • Chicão

        zzzzz por favor né cara…

        • Exato. Por favor né cara?

          • Chicão

            O próprio autor da matéria entendeu o que eu quis dizer e deu +1.. aí vc vem de mimimi?!

          • E o fato do autor ter dado +1 significa que o comentário foi legal? Tá bom, cara… mimimi… beleza, relaxa que seu comentário foi bem legal, você tá certo. Não vou discutir.

          • Chicão

            Já que do seu ponto de vista dar +1 pro comentário não significa que a pessoa tenha gostado, então dei +1 pro seu. Abraço.

          • Tá boa sua lógica hein cara?
            Vamos ler a frase novamente: “E o fato do autor ter dado +1 significa que o comentário foi legal?”

            Isso é diferente de “dar +1 pro comentário não significa que a pessoa tenha gostado”.

            Quem deu +1 pode ter gostado. Isso não embasa o comentário como bom.

            Mas relaxa, cara. Tá serto, você tá serto. Não vou discutir que já ficou evidente que não vai ter diálogo.

          • Chicão

            +1

          • Calma, amigos! Não vamos estragar essa bonita CELEBRAÇÃO do pau de selfie com uma briga, né? :-)

          • Chicão

            Hahahaha beleza ;)

          • Sem briga, cara. Mas 2015, sabe? Piadinha machista, ou não saber discutir numa boa, são coisas que não dá mais pra aguentar. Mas é isso, sem briga.

            Agora, queria mesmo saber o que deu daquele vídeo com as fotos do seu post que saiu sei lá eu onde… O que foi aquilo?

  • Eu não sou de tirar fotos, muito menos de mim mesmo, logo eu não usaria uma pau de selfie por mais que eles fossem úteis para boas fotos. Como comentei no primeiro post, para quem gosta, acho legal ter como alternativa para fazer como o Juan Lourenço comentou na foto de capa dele. Uma amiga tirou da praia com montanhas ao fundo e ficou ótima, seria impossível sem o acessório. Entendo que no estádio é perigoso e tem altas chances de atrapalhar outra pessoa assistindo, assim como usar um tablet para filmar um show. Eu não gosto de ficar vendo smartphones filmando shows, se todo mundo baixasse os braços seria melhor para assistir. O meu problema com o pau de selfie não é esse.

    Indo para uma perspectiva mais profunda do problema, acho ostensivas demais as críticas ao pau de selfie e parece o que chamo de senso comum “semi-intelectual”: em qualquer postagem sobre redes sociais, por exemplo, aparecerá alguém reclamando da futilidade delas e como grandes pessoas deveriam estar fazendo um projeto de nave espacial caseiro. Entendo os problemas reais, mas algumas vezes me enche as pessoas se acharem melhores por não ter ou não fazer algo: não tenho Beats, não ouço Justin Bieber (até em música do Miles Davis no YouTube o Bieber é citado), não leio Paulo Coelho…

    • A categoria das coisas que adoramos odiar. E para mostrar que nem sempre sou esse cara, confessarei uma guilty pleasure: gosto das músicas da Kary Perry, haha

      • E eu do Justin Bieber.
        Crucificação em 3…2…1…

        • João Vitor Costa

          e eu da Lady Gaga :)

          • Rojedo

            E eu do Queen!

      • Filosofia de Twitter: não importa as coisas idiotas que você faz ou deixa de fazer, mas o que de importante você faz.

        Você não é ouvinte de Katy Perry, é o editor do MdU. A Merkel não é fan de futebol, é chanceler da Alemanha. :p

    • Ana

      Concordo com seu comentário Gabriel Arruda… criou-se um certo preconceito com o acessório como se fosse vergonhoso fazer uso dele pelo simples fato de ter se tornado extremamente popular. E tudo que é popular, via de regra é ruim.
      Dizem as avós de todo planeta: _bom senso! O bastão é útil sim nas viagens solo e ambientes abertos para incluir toda a galera, fora que ele por si só já é motivo de risadas e fotos descontraídas é o que há.
      Esqueça o bichinho em ambientes formais e lotados e tá tudo certo, bora registrar para a posteridade!

  • thiagones80

    No meu face vi fotos bem sensacionais com o pau de selfie. Usando uma fish eye temos um efeito melhor ainda. Usando meu cunhado de quase 2m, um pau de selfie e uma fish eye dá pra pegar até a curvatura da Terra hehe

    Outro detalhe, não usaria no modo selfie. É só ter um pouquinho de noção e usar a câmera traseira (ah boa!) do smart

    O pau de selfie se o enquadra no ato de tirar selfie. Em momentos é algo sensacional e em outros ridículo e desnecessário (até arriscado, vide uma magricela q resolveu subir na muretinha da Paulista pra tirar selfies com aqueles ônibus “cosplay de trem” passando a 30cm dela, e que pareciam q iam derruba-la só com o deslocamento de ar. Temi pela vida da moça)

    Enfim, é o gadget q todos amam odiar agora! Mas tendo bom senso, é um acessório interessante pra boas fotos

  • Não é pro meu uso PONTO! Tchau!

    • Padre Quevedo

      Lembrei da terceira série: quando era dia de ditado, aquela professora com voz de gralha, sem entonação nenhuma, e nosso texto invariavelmente continha um “ponto” ou “virgula” escrito no meio (de vez em quando, um “ponto final” no fim do texto) kkk…

  • Ivan

    Primeiro: Não tenho nem pretendo ter.
    Segundo: Cheguei ao manual do usuário antes do post sobre o pau de selfie.
    Terceiro: Ia sugerir ontem um review do próprio porque sairia bacana. Não por acaso, ri demais e achei ótimo o texto!

  • Marcos Tony Lehmann

    Kkkk, impossível não rir de tudo, mas suas impressões só corroboram as minhas (de que é uma grande bobagem, uma vergonha alheia). Não dá pra usar a câmera de trás, Rodrigo? A sua dianteira (do iPhone ou Nexus?) então ficou ótima, mas na maioria dos aparelhos (especialmente os baratos que as têm e são VGA), devem ficar ‘lindas’….

  • Toga

    Senti minha sexualidade vacilar lendo esse texto, haja pau.

  • Eu detesto andar com coisas na mão pela rua, imagina se vou andar com um troço desses! Aliás, nem selfie eu faço!

    • Eu

      É, eu também não acharia legal andar na rua com meu pau na mão.

      • HAHAHAHAHA! :) :D

      • Pode andar com o meu, se quiser.

        • Eu

          Obrigado, mas com esse aí não sai selfie nem usando lente grande angular. “Palitinho de selfie”

          • Me dá teu endereço aí em SP que eu aponto ele aqui do RJ até encostar na sua orelha aí! XD

          • Ao seu – F

            PORRA! ORELHA ERRADA! EU TO EM CURITIBA!

          • Opa, foi mal. Nunca fui bom em pontos cardeais.

          • Luiz

            Oi MalcriadoRJ , meu pau também não tem funcionado muito bem. Pode me emprestar o seu? Quem sabe consigo andar com ele pelas ruas de Sorocaba. ….

          • AHAHAAHAHAHAH

        • Padre Quevedo

          HAHAHAHAHAHHAHAHA

        • AmericanCaptain

          Oras, vai ser expulso daqui tbm?

    • gabriel

      iae dboa

  • Luciano Rocha

    Adorei o texto,sua perplexidade com o ser humano é foda.

  • Witaro

    Muito bom! Agora queremos o review desses “Drones de selfies”: https://www.youtube.com/watch?v=9y41DhDwVVo

  • Acho pau de selfie válido para algumas situações, mas já vi por aí gente usando para tirar foto do espelho…

  • Luis Cesar

    Se estivermos falando de um acessório que lhe permite recursos necessários para tirar boas fotos, ok. Acho até que nesse ponto nem cabe chamar o dito cujo de pau de selfie…

    O problema (nem sei se a palavra adequada é essa), como foi mostrado no texto em comentários aqui, é simplesmente querer pegar no pau (epa!) de selfie a todo momento pra tirar fotos que eram tiradas anteriormente sem a mínima necessidade do acessório, por isso acho que é modinha.

    Sem contar que pode gerar situações bem inconvenientes pra quem não tem nada a ver com o momento.

    Assim como muitas modas toscas que existiam ou que ainda existem por aí, vai chegar um momento em que os próprios usuários vão se incomodar com o p…acessório.

  • Saulo Benigno

    Rodrigo, te prepara para o Belfie, o pau de belfie :)

    http://belfiestick.com/

    Pois é… o mundo vai longe…

    • Não quero nem imaginar o que virá depois do pau de belfie!!

      • Luis Henrique

        Pelfie!
        [medo]

        • O pau de selfie de pau? Bem, pelo menos, de certa forma, é um palíndromo!

    • Ed

      Um pau para selfies de bundas? kkk

    • E também lançaram um flash de selfie!

  • Mantenho meu ponto de que é uma excelente ferramenta pra quem quem viaja sozinho, ou em casal, pra garantir que o enquadramento da foto tá certo e a paisagem do fundo tá certinha.

    Tive várias péssimas experiências pedindo pra outras pessoas tirarem. O pau de selfie me permite experimentar mais e me abre possibilidades que não existiam pra alguém com braço curto e baixinho como eu hahhahahah

    Ah, outra coisa: eu jamais pagaria mais que R$ 30 num negócio desse. Aqui eu comprei o meu por USD 7. Já vi vendendo por USD 15 e torci o nariz.

    • Padre Quevedo

      Primeiro, venha morar no Brasil; depois critique nossos custos, rs…

      • hahahhah claro. Afinal eu não gasto nada no Brasil, nem conta no Brasil eu tenho, e meus amigos e familiares moram todos aqui. Faz sentido.

        • Padre Quevedo

          ah, vc entendeu. largue de ser chato e exibido.

          • Cara, como você pode opinar dessa forma sobre uma pessoa que você não conhece?

            Eu critico os custos do Brasil pois eles são meus custos… Desculpe se pareceu exibido ou qualquer coisa assim, mas definitivamente não foi o caso.

            Só toma cuidado pra não cair na besteira de gerar uma personalidade fictícia sobre alguém que você não conhece, de verdade.

          • Julian Mtr

            Acho que ele estava brincando, man.

          • Bia Silva

            Concordo com você, moro no Brasil e os custos são um absurdo. Esse país é uma roubalheira danada, só os cegos não enxergam isso.

    • Julian Mtr

      Prefiro usar um tripé, o resultado sai melhor, ou apoiar a máquina em algum lugar plano e usar um temporizador. Sempre deu certo em várias viagens pelo mundo.

  • Renan Freitas

    O pior é que você acha um desses no Ali Express por 6 dólares. Acho até bacana, mas não passa de um bastão metálico com um bluetooth, deveria custar no MÁXIMO uns 40 reais.

  • Chicão

    Acho interessante, mas não pra selfie.

  • Marno

    “Precisamos falar sobre o pau de selfie?”

    • Claro que precisamos! :-D

      • Marno

        Esse negócio de “pau de selfie” tá quase virando um novo Tabu. kkkk

        • Padre Quevedo

          E o filho do Kid Bengala vai usar Pod Selfie como pseudônimo…

  • Eduardo Barros

    Vergonha alheia disso aí. Assim que resumo. rs

  • Luis Henrique

    Hahah, adorei o texto. O Ghedin possui uma veia cômica forte, vide esse texto e o do review daquele tablet. Gosto desse humor que ironiza as coisas e comentários do dia a dia, tipo: ” Escondo ou mostro o pau kkkkk”.
    Sobre o pau de selfie em si… é complicado. Se você usa porque tem uma necessidade específica ou acha que consegue melhores resultados, tudo bem, sem problemas. A questão é essa glamourização do pau de selfie, como uma arma que te transforma automaticamente em pessoa descolada. Esse raciocínio é errado, especialmente se aplicado em ambientes que não justificam um pau de selfie.
    Enfim, sejam vocês mesmos, com ou sem pau.

  • Luis Henrique

    [ah, só uma pequena correção]

    “mesmo enquanto dividimos as atenções com uma bailaria”

    -Bailarina
    Até!

  • Rakan Sreeldin

    Cara, Windows phone tem mais restrição que o Red Star OS da Coreia…não funciona com o pau de selfie.

    • Padre Quevedo

      Temporizador configurado em 10s resolve, não?

      • Rakan Sreeldin

        Ajuda, mas não resolve.
        Eu lamento essas restrições, porque sou entusiasta da plataforma.

        • Padre Quevedo

          Ora, mas vejam só como essas “modinha” são uma merda mesmo.
          Primeiro, criam o monopod (“pau-de-selfie” é foda…) e ninguém consegue entender como é que viveram sem isto por tanto tempo!
          E agora o negócio ainda tem que ter acionamento por bluetooth, senão não presta? Ah, vá…

  • Pablo Francisco Figueroa Igles

    Queria ter um drone que me seguisse e tirasse fotos quando eu desse um sorriso, ah vídeos também.

    Melhor que uma foto, que mostra um pau esticado do meu lado.

    Abraço, Belo pau, digo texto.

  • Adriano Gomes Benício

    Um amigo meu já dizia: “o carro do homem é um extensão de seu pau.” Aqueles caras que compram um carrão e colocam um paredão de som têm a nítida sensação de que seu falo aumentou vários centímetros quando enche de guria ao redor.
    Agora imagina aí… Por um preço bem mais acessível, qualquer um pode colocar seu pau de selfie pra fora e obter o mesmo efeito: uma turma de gente ao seu lado admirando seu objeto de prazer, sorrindo, e de brinde, registrando o momento!

    Cara, falando sério, ri muito com esse post. E acho intrigante como quem coloca esse pau pra fora nas festas e baladas ganha atenção. Assim como donos de paredão, positivas e negativas…

  • Clemerson Luiz Araujo

    Ghedin, isto esta uma mistura de review com jornalismo gonzo. Parabéns, vc é um gênio!

  • João Vitor Costa

    Primeiramente, gostaria de parabenizar a equipe do site por criar reviews diretos e matérias interessantes, além do ótimo design do Manual Do Usuário, minimalista e bonito. Nada tem a ver com o post, Rodrigo, mas eu gostaria que você me ajudasse a tomar uma decisão. Crucial decisão.

    Em março eu estarei trocando de smartphone, e dois deles surgiram como opções muito boas. De um lado, o Galaxy S3 Neo, do outro, o motoG2014. Caro Sr. Ghedin, responda minha pergunta. Qual é o melhor?

    Vou colocar aqui uma lista de especificações dos dois aparelhos…

    E alguns prós e contras.
    S3 Neo:

    Processador: Qualcomm Snapdragon 400 Cortex-A7. Quad-core, clock de 1.4GHz.
    Tela: 4.8″, SUPER-AMOLED, resolução HD (SUPER-AMOLED HD, a mesma do S3 original, sem o pentile), com 306 pixels por polegada, 16 milhões de cores.
    GPU: Adreno 305
    RAM: 1,5 GB.
    ROM: 16GB expansível via microSD até 64 GB.
    Câmera: Traseira de 8MP com Frontal de 1.9MP, sendo que a traseira filma em FULLHD-1080p e a frontal em HD-720p.
    Bateria: 2100Mah.
    Versão Android: 4.3 Jelly Bean com atualização garantida pro KitKat 4.4.2. Touch Wiz UI.
    Preço: Varia de 610 á 740 reais.
    Prós: Tela SUPER-AMOLED, clock superior, mais RAM, ótimos resultados de vídeos e fotos com ambas as câmeras.
    Contras: TouchWiz, feia, pesada, desnecessária e lenta, e a falta de atualização pro Android L.

    motoG2014:
    Processador: Qualcomm MSM8226 Snapdragon 400 Cortex A-9. Quad-core, clock de 1.2GHz.
    Tela: 5″, IPS-LCD, resolução HD, com 294 pixels por polegada e 16 milhões de cores.
    GPU: Adreno 305.
    RAM: 1GB.
    ROM: 8/16GB expansível via microSD até 32GB.
    Câmera: Traseira de 8MP com frontal de 2MP, ambas filmam em HD-720p.
    Bateria: 2070Mah
    Versão Android: 4.4.4 KitKat com atualização já sendo liberada pro Android L.
    Preço: Varia de 700 á 800 reais.

    Prós: Android Limpinho, tela IPS de ótima qualidade, câmera frontal muito boa, garantia de atualizações, alto-falante estéreo na parte frontal, e, mesmo sendo de plástico como o S3 Neo, aparenta uma melhor construção.
    Contras: Câmera traseira deixa a imagem meio “lavada”, demora para carga de bateria, apenas 1GB de RAM (notei, também, ao brincar um pouco com o de um amigo meu, que alguns aplicativos fecham sozinhos, imaginei que seria por que o aparelho não está sabendo gerenciá-la),aquecimento, fecha aplicativos sozinho,

    Fechando:
    O S3 Neo é o que mais me agrada atualmente. Tudo seria perfeito se não fosse a TouchWiz, maldita TOUCHWIZ! A versão do 4.4.2 vai ser muito bem tratada por alguns anos, de fato, e disso eu não tenho que me preocupar. Oras, uso um Galaxy Star com Android 4.1.2 e tenho tudo o que eu preciso nele! Eu pegaria ele na hora, se não fosse essa interface. E como é feia! O motoG2014 e seu Android Puro me agradam mais esteticamente. Este é meu único receio. Será que essa TouchWiz vai prejudicar o desempenho do aparelho que tinha tudo pra ser perfeito?
    Favor, ao responder(em), tente só me ajudar, livre-se de qualquer mágoa que você tem contra a Samsung e me ajude!

    • Eu nunca usei (nem vi, na real) esse Galaxy S3 Neo, João, mas pelo menos no papel é um concorrente à altura para o Moto G. O meu receio é como ele resistiria a longo prazo, mas se você já tem experiência com a marca e está satisfeito com um aparelho inferior, de repente é uma boa — “em time que está ganhando não se mexe” etc.

      • João Vitor Costa

        Bom, satisfeito com o aparelho que estou, eu não estou mesmo XD, por isso quero mudar, e acho que vou pegar o Neo por causa da câmera dele, que é excelente!

  • Marcos Balzano

    Uma guerra de Paus??? Isso parece tão errado

  • Marcos Balzano

    Imagina numa reunião de família, e eu peço pra pegar no pau do meu tio estranho, ou então vem uma priminha dizendo que tava segurando o meu pau…

  • Rex

    Kkkkkkk chega numa balada, pronto para tirar uma foto, ai você fala “vou tirar meu pau da calça” e kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Gabriel Peres de Oliveira

    Ghedin, excelente texto. Parabéns!!!

  • Esse texto entrou com o dos Flogs sobre caminhão como um dos melhores. Parabéns.

  • Lucas Balaminut

    A oferta é sempre implacável em oferecer à demanda oque ela quer, mesmo que seja a coisa mias bizarra possível. Tem demanda, tem oferta. E mesmo se não tiver, sempre aparece uma modinha marota.

  • Mario Renault

    Já tem até o música do pau de selfie… haha
    https://www.youtube.com/watch?v=WKgPF4ZluDM

  • Rojedo

    Não há limites para a estupidez humana! Sério, se alguém já viu coisa mais idiota, me avise, pois essa está liderando o meu ranking.

  • Thales C

    “Hands-on no pau de selfie” HAHAHAHAHAHA

    Excelente texto, como sempre, Ghedin!

  • Julian Mtr

    Cara, estava a fim de rir e coloquei o seguinte no facebook: “pau de selfie ridículo”. Já sabe o que penso né? Pois vim cair no seu site, que nunca vi mais gordo. E ri bastante, obrigado de coração por divertir meu dia!!!! Um comentário: todas essas fotos suas em que o seu pau aparece, dão a impressão de que você está PESCANDO. kkkkk…. falando sério, eu aposto meu par de testículos que esse caniço moderno será uma daquelas coisas que, daqui 20 anos, estaremos falando ruborizados: “cara, você lembra daquela moda de pau de selfie? puts cara, que loucura, como éramos esquizofrênicos..hahaha…”. Tipo aqueles cabelos dos anos 90, saca? Quando sozinho, sempre tiro minhas fotos pedindo pra alguém, ou, quando ninguém por perto tinha cara de ‘gente boa’ , apoio a câmera em algum lugar plano e ligo o temporizador. Fica ótimo (muitas vezes um ‘gente boa’ percebe que você está se “aperreando” e se oferece para o ato). No fundo, acho que todo mundo só quer mesmo é mostrar o pau.

  • Julia Huinossi

    Quanto você quer nele !?

  • Vick

    eu comprei um via bluetooth que vem com o controle só que a luizinha nao acendeu e ai troquei a bateria mas msmo assim nao acendeu to achando q o problema é no controle

  • Paulo Machado

    Prezados, antes mesmos da popularização do “pau de selfie”, criei e patenteei um smartphone com uma câmera extensível ao aparelho (com a mesma antena de tv dos smartphones que possuem). A meu ver, essa ideia é muito boa pois não precisa de mais nada além do próprio smartphone na sua mão para fazer selfies assim como os “paus de selfies” e “go pros”.

  • Rosemeyre Duarte

    Comprei um igualzinho paguei 17 dolares, testei na loja, porém quando fui utilizar havia soltado o encaixe do carregador, resumindo perdi o dinheiro!!!

  • Jana

    O botão do meu monopod não funciona no meu celular, mas quando coloquei o Iphone de um amigo deu certo! O cara que me vendeu disse que tinha que baixar um aplicativo no meu smartphone… Alguém sabe se precisa mesmo? Ou qual é o problema?

    • Saulo Benigno

      Qual seu celular/smartphone? Qual marca/modelo?

  • Rafael Cruz

    Comprei um modelo igual, e uma grande decepção, mesmo com a bateria completa, desliguei e não ligou mais –‘ e não encontrei nenhuma solução para isso

  • AUDREY

    O BASTAO DE SELFIE SERVE PRA QUALQUER CELULAR? E DA TAMBEM CAMERA DIGITAL?

  • Lauro Teixeira

    quem sabe da pra ser usado em uma pescaria, já serviria de vara de pesca e faria fotos do peixão de um angulo não convencional. quem se habilita/

  • giovanna schettini souza

    eu tenho um da marca monopod e n veio com o controle

  • Josiane

    Boa tarde!! Tenho um celular Blu life 8 e hoje tentei comprar um pau de self, mas não funcionou… Alguem sabe me dizer se é com o blu que não da certo?

  • arielcompagnon

    Não consegui ligar o meu. É o mesmo modelo que o seu (q-08). Ele está carregado, porém não consegui ligar. Como procedo?
    Obrigado

  • Cassiane

    Da para tirar foto com o pau do self sem a camera frontal?

  • José Carvalho