Google abre as portas do YouTube Space Rio de Janeiro, o mais moderno do mundo

Por
10/8/17, 20h07 7 min Comente

O Google, enfim, inaugurou o YouTube Space Rio de Janeiro, ponto de encontro dos criadores de conteúdo para a plataforma de vídeos mais usada no mundo. São cerca de 3 mil metros quadrados — quase a metade de um campo de futebol oficial — com o que há de melhor em equipamentos e toda a infraestrutura para a produção audiovisual.

O YT Space RJ é o segundo inaugurado pelo Google no Brasil — o primeiro, em SP, foi inaugurado em 2014 e tem apenas 300 metros quadrados, ou seja, dez vezes menor. No mundo, trata-se do décimo Space: Los Angeles, Nova York, Toronto, Londres, Berlim, Paris, Tóquio, Mumbai, além de São Paulo. Apenas Brasil e EUA têm dois estúdios do Google.

Mas por que o Brasil tem tanta importância para o Google?

Bom, basicamente, somos o segundo maior mercado da plataforma em número de usuários ativos, perdendo apenas para os Estados Unidos. Num universo de 1.3 bilhão de clientes, 300 horas de vídeos subindo a cada minuto e 30 milhões de visitas por dia, dá para imaginar o quão lucrativo é esse negócio para a gigante de tecnologia, né?

A inauguração do YouTube Space RJ contou com a presença de Lance Podell, diretor global dos Spaces desde 2011, e Fabio Coelho, vice-presidente do Google Inc. e presidente do Google Brasil desde 2011. E ambos, claro, mostraram muito entusiasmo com o lançamento do espaço. Afinal, não é todo dia que um hub como esse, tido como o mais moderno do mundo, sai do papel.

“Não podemos construir um Space em todas as cidades, por isso escolhemos um lugar onde acreditamos estar a alma dos criadores”, diz Podell. “O Rio é o centro, mas não é o único pólo criativo no Brasil. Optamos pelo RJ por ser uma localidade que vai ressoar tudo o que fizermos”, completa.

O americano usou uma analogia forte para comparar o Brasil com seu país — que tem Spaces tanto na costa leste (Atlântico) quanto na oeste (Pacífico). “Nova York seria algo como São Paulo, onde estão os negócios e a publicidade. E Los Angeles seria como o Rio de Janeiro, o pólo cultural, audiovisual”, diz Podell.

Como funciona um YouTube Space?

Para quem não está familiarizado, os YouTube Spaces operam com base em três pilares: aprender, conectar e criar (learn, connect, create). O espaço do Rio de Janeiro, mais do que um enorme estúdio com material de última geração e especialistas com larga experiência na plataforma, tem um espírito de “universidade”, com pitadas de ponto de encontro.

“Aprender”, para o Google, significa ênfase nos programas de treinamento e workshops, que ensinam na teoria e na prática como produzir o melhor conteúdo, desde o roteiro até a edição. E os próprios instrutores do Space estão sempre aprendendo, já que os criadores da plataforma inventam e experimentam novas linguagens.

“Conectar” talvez seja a parte mais natural e divertida do processo Google. Eventos, encontros, bate-papos e tudo mais que estiver ao alcance dos produtores de conteúdo pode ser organizado no Space. Aqui, o objetivo é trocar ideias, compartilhar dicas e experiências para aproveitar o YouTube ao máximo.

Agora, para “Criar”, é preciso ser um top de linha. Se os cursos, eventos e workshops podem ser frequentados por qualquer criador que tenha mais de 1 mil assinantes, produzir vídeos no espaço requer ao menos 10 mil seguidores no canal. Aí seim você vai ter acesso ao que há de melhor em recursos técnicos e estruturais, para produzir seu conteúdo de ponta.

E o que tem no Space?

O YouTube Space Rio de Janeiro fica no centro da cidade, na Zona Portuária, atualmente conhecida como “Porto Maravilha”. Com uma vista estonteante para a Baía de Guanabara, rodeado por pontos turísticos como o Museu do Amanhã, o MAR (Museu de Arte do Rio), o AquaRio, o Cais do Valongo e a Praça Mauá, e ainda com um ponto de VLT na porta, parece não haver opção melhor na cidade.

O prédio é um antigo galpão portuário, completamente reformado pela empresa ao longo dos últimos quatro anos. A instalação do novo espaço tem três estúdios — o maior deles com 180 m² e outros dois menores com 70 m². No maior, aliás, há uma reprodução impressionante da Lapa carioca, com bares, lojas de vinil, os Arcos, opção de iluminação noturna/diurna, preenchimento para vídeos 360 graus, enfim, tudo com um grau de detalhamento que impressiona.

Nos outros dois estúdios, há uma estrutura para vídeos com chroma-key e outra para talk-shows. Outras salas do espaço são preparadas para vídeos de tutoriais de maquiagem (as salas têm espelhos com câmeras embutidas), talk-shows menores ou vídeos-solo.

Para a pós-produção, há computadores preparados para edição e com internet de alta velocidade (para não perder tempo subindo os vídeos), além de mesa de corte com opções de lives, internas, externas ou produções mais sofisticadas — que podem ou não requerer ajuda dos técnicos da casa.

Mas o grande charme é, sem dúvida, a praça principal, com um telão de 7m de altura por 5m de largura, que fica diante de um palco, e com a Baía de Guanabara ao fundo. Para chegar ali, o criador passa por um tubo vermelho, sob bandeiras que representam as cores dos cariocas (que vão do branco ao negro), tudo para lembrar que a região onde o Space está era conhecida como “Pequena África”. Não, nada está ali por acaso.

É um Space carioca, mas com DNA Google.

Aliás, essa integração com a cidade e a atenção com as pessoas são características dos YT Spaces. Desde os mínimos detalhes (como banheiros unissex para todxs), até a decoração do lugar (colorida, como a orla do RJ, e sempre com o símbolo de play do YouTube), nada destoa do descontraído estilo carioca e da preocupação com a inclusão: todos devem estar à vontade e confortáveis no YT Space RJ.

“E, para comandar o lugar, não poderíamos escolher alguém de fora. Teríamos que ter uma carioca nativa”, brincou Lance Podell. Então, para a árdua tarefa de dirigir o YouTube Space RJ, foi escolhida Livia Marquez, ex-diretora de branding e marketing da Tim, que chegou a brincar com o rótulo de “carioca nativa”: “Acho curioso isso, nem sei o que é um ‘carioca nativo’”.

E engana-se quem pensa que o momento delicado vivido pelo Brasil, na política e na economia, especialmente no Rio de Janeiro, um estado quebrado, por assim dizer, desanimou o Google. Tanto Coelho quanto Podell foram enfáticos ao refutar qualquer possibilidade de reavaliar ou congelar o YouTube Space Rio diante de tantos problemas. E o envolvimento de dinheiro do governo na iniciativa também foi negado, de forma curta e grossa: “Não há. O YouTube é sobre histórias do mundo e sobre storytellers. Só isso.”, finaliza Podell, antes de convidar a todos para conhecerem o Space.

Nota da editora: esse texto foi originalmente postado no medium do Fabrício. Todas as fotos do post foram feitas com o OnePlus 3T e Quantum Muv Up.